Big Data – O que é e para o que serve

Estamos em pleno 2017 e o termo Big Data nunca esteve tanto em voga. O interesse neste termo tem vindo a crescer ao longo do tempo, atingiu o seu pico no ano de 2016 mas mesmo em 2017 continua a ser um termo importante, especialmente para o tecido empresarial em Portugal. Ora estando nós em 2017, nunca foi tão fácil termos acesso a dados… dados de gestão, por exemplo, que chegam aos gestores das empresas todos os dias. Na imagem em baixo pode ver a tendência de crescimento do interesse pelo big data desde 2012 (ou clicando aqui).

Mas o que é Big Data?

Se formos a traduzir literalmente o termo, Big Data pode chamar-se, em Português “Grandes Dados”, “Muitos Dados”, “Muita Informação”. O Big Data é um termo que traduz grandes fluxos de informação que podem estar estruturados (organizados) ou não. Mas essa informação não tem valor, caso as organizações não as utilizem para melhorar a sua eficiência ou os seus resultados.

O objetivo da análise da Big Data é permitir aos gestores ou aos tomadores de decisão, fazer opções estratégicas organizacionais mais empíricas (baseadas em informação passada) e com mais eficiência, minimizando o risco. Essa informação pode ser recolhida de forma tradicional ou digital, mas o mais importante não é a quantidade de informação, mas sim sempre o que se faz com a mesma.

Big Data Estruturada e Desorganizada

A big data desorganizada é rica em texto e informações diversas, a sua organização é mais complicada para as bases de dados e a sua interpretação é difícil. Por exemplo: os comentários de uma página de Facebook são informação valiosa para um gestor, mas a sua organização e interpretação é difícil – esta é a big data desorganizada.

A big data estruturada diz respeito a um tipo de informação variada que pode ser derivada de interações entre pessoas e máquinas, que, como o nome indica, já se encontra estruturada em bases de dados. Por exemplo, hoje em dia, ao navegar num website, provavelmente os seus dados e o seu comportamento estão a ser registados numa base de dados. Essa informação é estruturada e combinada com a informação de muitos outros utilizadores em vários formatos, prontos para serem interpretados.

Quem mais beneficia do Big Data?

Como expliquei anteriormente, a organização da informação permite aos tomadores de decisão tomar decisões mais corretas e com risco reduzido. O principal objetivo é maximizar as receitas das organizações, combinando informações diversas de diferentes canais. Mas não só as organizações beneficiam do Big Data: o consumidor vê a sua experiência com as organizações melhorada também, porque é na satisfação do consumidor e na criação de valor para o mesmo que os decisores agregam valor às suas organizações, maximizando o lucro.

Pequena conclusão…

O Big Data é um termo complexo. No mundo da informação que vivemos hoje, onde cada vez mais a informação é poder, as organizações, sejam elas pequenas, médias ou grande necessitam de canalizar a informação recolhida nas suas ações para bases de dados. Mais importante que isso é analisar essa informação e tomar as decisões corretas… Num tema futuro abordarei o “data driven marketing” e como o big data cada vez mais influencia o marketing de todos os dias.

Gostou do nosso conteúdo? Partilhe!