Opióides sem efeitos aditivos

Cientistas descobriram uma nova droga que vai dominar o mercado dos analgésicos opióides. Esta nova droga consegue eliminar a dor sem causar problemas de adição como as drogas tradicionais conhecidas a morfina ou codeína.

Este opiáceos tradicionais são utilizados na medicina há muitos anos, o seu número de utilizadores é enorme e mesmo apesar dos seus efeitos secundários graves sendo reconhecidos continuam a ser a melhor resposta que a medicina consegue oferecer no que toca ao tratamento da dor.

A adição resultante da utilização de drogas ilegais como a heroína, cocaína já é conhecida há muitos anos e já existem técnicas inovadoras de tratamento, mas quando falamos de drogas legais como medicamentos opiáceos não existem alternativas ao seu uso. Em certos países o uso de opiáceos torna-se mesmo um problema social de grande escala, chegando mesmo a ser necessária uma política ativa no controlo destas substancias.

Nos EUA o problema do abuso de drogas médicas (as conhecidas “prescription drugs“), tem crescido drasticamente, com cada vez mais pessoas viciadas nestas drogas. Todos os anos é registado um aumento do número de mortes relacionadas com estas drogas legais, apesar de um controlo restrito tanto na venda como na posse destas substâncias.

Opiáceos que não causam dependência

Com a nova droga descoberta isto deverá deixar de existir, o tratamento da dor poderá ser eficaz sem efeitos secundários desta natureza.

Porque que é os opiáceos são aditivos?

Os opiáceos têm como função diminuir os sinais de dor que são enviados para o cérebro ao interferirem com os recetores de sinais de dor, também conhecidos com recetor de opiáceos. A adição é o resultado dessa interferência porque os recetores dos sinais de dor também têm funções reguladoras dos impulsos emocionais como o desejo e a euforia.

A nova droga tem um risco significativamente baixo de adição porque faz ligações com outro tipo de recetores – mais tecnicamente os nociceptin-orphanin e peptide receptor.

O que dizem os estudos

Para já a droga esta a ser testada em macacos com resultados bastantes promissores. São utilizados macacos porque estes têm a mesma resposta fisiológica às drogas que os humanos. A droga não mostrou qualquer tipo de efeito secundário, os macacos não mostraram qualquer tipo de comportamento aditivo nem mesmo com doses superiores às necessárias para o tratamento da dor. Resultados incríveis para este avanço na medicina.

O próximo passo será o teste em humanos, o procedimento mais difícil em qualquer tipo de estudo farmacológico. Uma das dificuldades encontradas pelos investigadores será otimizar o efeito terapêutico desta droga para a forma de comprimido.

Gostou do nosso conteúdo? Partilhe!