Maus padrões de sono e a sua relação com o suicídio

Todos nós conhecemos a importância do sono na saúde. A regularização dos padrões de sono é fundamental para um bem estar físico e psicológico, por diversos motivos. Um bom sono é considerado um sono reparador e deve durar não menos de 7 horas e não mais de 9 horas por dia.

Com a evolução das tecnologias nas gerações, cada vez mais os padrões de sono vão estando pouco regulados. Se antigamente os adolescentes passavam uma noite em branco por semana, atualmente, é muito maior essa percentagem. Esses hábitos podem enraizar-se em toda uma geração e, assim, nascem novos problemas geracionais: mais ansiedade, depressão, entre outras patologias. Não há como mentir: a tendência de ficar acordado até mais tarde, devido ao aparecimento de tecnologias que perturbam o sono (televisão, computador, internet), está para ficar.

Conhece algum adolescente que não tenha, até ao momento, passado umas férias com horários desregrados para jogar computador durante a noite?

O suicídio e o sono

O suicídio tem diversos fatores inerentes – as tendências suicidas são uma patologia psiquiátrica que deve ser encarada como muito grave – e pode ter origens dos mais diversos fatores de risco. Um deles, é a falta de padrões de sono, segundo estudos da investigadora Rebecca Bernert num recente estudo publicado este dia 28 de Junho.

Segundo a investigadora:

As perturbações do sono e a ideação do suicídio são ambos sintomas da depressão, sendo crítico avaliar estes fatores isolados para prever o risco.

O estudo inclui 50 universitários com idades entre os 18 e os 23 anos, com historiais psiquiátricos de tentativa de suicídio, sendo o sono desta população monitorizado durante uma semana. Os problemas de sono revelaram ser um grande fator de risco para as tendências suicidas da população estudada. Mesmo com avaliação de outros fatores de risco (drogas, alcool, depressão crónica, etc) o sono destacou-se como sendo um dos fatores de risco críticos.

O resultado? Os investigadores vão experimentar o tratamento da tendência suicida com base em tratamentos de insónias.

O suicídio é a segunda principal causa de morte nos jovens adultos nos EUA

 

Gostou do nosso conteúdo? Partilhe!